Visitantes Online:  3

Home Page » Recanto da Leitura  
 
 
 
 

RECANTO DA LEITURA

 
 
 
 
<<< VOLTAR

  SINTOMAS DE RECAÍDAS

Dr. Alberto Duringer

A recaída em alcoolismo acontece no rumo inverso do adoecimento, de forma que primeiro o alcoólico perde espiritualidade, depois equilíbrio emocional e por fim vai ao primeiro gole. T.T.Gorski e M.Miller, no seu livro Conselling for Relapse Prevention, listam uma série de sintomas, relatados por alguns milhares de alcoólatras, observados antes do primeiro gole e que vão dos mais leves aos mais perturbadores. É provável que nenhuma recaída apresente todos os sintomas, mas a presença de muitos, numa sucessão de gravidade, é frequente:

1. Medo do sentir-se bem - O alcoólico simplesmente não está acostumado a ver as coisas correndo bem. Pensamentos do tipo "Minha vida está tão boa, o que será que vem por aí?" ou então "Eu não mereço".

2. Negação do stress e da ansiedade - Sentir-se ansioso diante de mudanças é normal. Só que o alcoólico, campeão em negação, agora nega o medo que está sentindo, dizendo que sua vida está cor-de-rosa, não tem mais problema algum (o único era a bebida) e que por isso não é preciso mudar mais nada.

3. Compromisso inflexível com a abstinência - "Só eu sei a desgraça que o álcool foi na minha vida, por isso eu tenho absoluta certeza que nunca mais vou beber!".

4. Compulsão em impor sobriedade aos outros - Ele simplesmente não consegue entender que outros bêbados possam não querer parar de beber e ingressar em A.A.

5. Atitude defensiva em falar sobre si mesmo ou sobre sua recuperação - Os depoimentos são no plural "nós alcoólatras somos assim" ou sobre os outros "eu sabia que Fulano ia se dar mal". Ele só não consegue falar dele mesmo.

6. Comportamento rígido e repetitivo - Depoimentos sempre iguais, nada se modifica.

7. Comportamento impulsivo - Emoção supera a razão.

8. Tendência ao isolamento.

9. Visão em túnel (segmentar) de aspectos de sua vida - Só enxerga alguns aspectos de sua vida, como um motorista que entra em um túnel escuro e só vê o ponto de claridade da saída. Depoimentos enfatizando sempre a mesma coisa.

10. Depressão leve - Falta de atenção, afetos pequenos, excesso de sono.

11. Perda de planejamento construtivo - Metas fantasiosas, excesso de atenção a detalhes sem importância.

12. Planos começam a não dar certo.

13. Pensamento sonhador - Síndrome do "se": "Ah, se eu não tivesse feito aquilo", "Ah, se eu ganhar na loteria".

14. Sensação de que nada dá certo na vida - Nem pode, se todos os planos são fantasias.

15. Desejo imaturo de ser feliz - Sem saber dizer o que é felicidade para ele, sem definir o que é que o faria feliz e também sem fazer o seu lado para atingir a "felicidade".

16. Períodos de confusão mental.

17. Irritação com as pessoas e atitude de confronto com o A.A - Baixa tolerância com companheiros que fazem depoimentos que não lhe agradam, com coordenadores que não o chamam e com pessoas que não agem de acordo com sua vontade.

18. Irritabilidade fácil - Inclusive passa a ter medo de suas reações de raiva.

19. Hábitos alimentares irregulares.

20. Indiferença frente à vida - Dificuldade de entrar em ação.

21. Irregularidade de sono - insônia uma noite, exaustão e muito sono no dia seguinte.

22. Perda de estrutura de 24 horas - Um dia sobrecarregado, outro sem ter o que fazer.

23. Períodos de depressão profunda - isolamento, irritabilidade, raivas, medos, pensamentos de "ninguém se importa comigo".

24. Ida irregular ao A.A. - Começa a questionar o A.A. (manipulação). Primeiros pensamentos de "será que eu sou mesmo alcoólatra?"

25. Atitude de "estou pouco ligando para o que acontece", acompanhada de autopiedade.

26. Rejeição de ajuda - Com atitude muda, silenciosa, ou então com raiva.

27. Insatisfação com a vida, sensação de vida ingerenciável - Pensamentos de "se eu estivesse bebendo, as coisas não poderiam estar pior."

28. Intensa sensação de desamparo e impotência.

29. Intensa autopiedade - síndrome do "coitadinho de mim".

30. Vontade de voltar a beber socialmente (na busca de alívio).

31. Mentiras conscientes - Julga só ter como opções a loucura, o suicídio ou voltar a beber.

32. Perda completa da autoconfiança - Sente-se incapaz de sair da armadilha que ele mesmo criou.

33. Raivas irracionais (do mundo, da vida, de algumas pessoas, de si mesmo).

34. Abandono de tratamento e recuperação - Desaparece também do A.A.

35. Sente esmagadora solidão, frustração, raiva e ansiedade.

36. Volta a beber (com intenção de manter a bebida sob controle).

37. Perda do controle sobre a bebida.

* Dr. Alberto Duringer - Conselheiro no Conselho Estadual de Entorpecentes - Ex-Diretor do Hospital Central da Polícia Militar (RJ)




<<< VOLTAR