Visitantes Online:  13

Home Page » 12 Passos  
 
 
 
     
  « Voltar  
 

 

 
 
QUARTO PASSO 26/12/2013 - 18:08
QUARTO PASSO
“FIZEMOS MINUCIOSO E DESTEMIDO INVENTÁRIO MORAL DE NÓS MESMOS”.
Por: Emílio M.

01. O que, como entendi e pratiquei o Quarto Passo. Relato aqui a minha experiência pessoal e destaco alguns tópicos da literatura de A.A. e outras que considerei pertinentes. (Enumero os parágrafos para facilitar os debates nos Seminários).

02. Fazer o inventário de uma empresa é fácil. Até posso pagar um especialista para tal. Empenhar-me em meu próprio inventário, prefiro o termo pessoal ao moral, não é tão difícil, mas requer muito empenho pessoal. Ninguém poderá fazer isto por mim. Todavia posso pedir orientação para companheiros que já realizaram o seu. E estando muito bem alicerçado nos três Primeiros Passos, estou pronto para uma fascinante viagem, um mergulho profundo no meu passado. Em A.A. nada é obrigatório, mas o inventário pessoal, corajoso, destemido e minucioso é indispensável. Sem ele, qualquer empreendimento pode falir. A sobriedade, também esta é a pior falência que conheço.

03. Fui dotado de instintos naturais como: sexual, segurança material, social, fome, etc. Para viver bem e ser feliz, e não para sofrer com a deturpação dos mesmos. O álcool corrompe, potencializa e exacerba os instintos naturais, causando os defeitos de caráter ou pecados capitais. Identifico e tento dominá-los ou serei por eles dominado. Os defeitos de caráter são como o álcool, podem escapar ao meu controle.

04. “Contudo, estes instintos, tão necessários para a nossa existência, freqüentemente excedem bastante suas funções específicas. Fortemente, cegamente e muitas vezes simultaneamente, eles nos impulsionam, dominam e insistem em dirigir nossas vidas. Nossos anseios pelo sexo, pela segurança material e emocional, e por posição importante na sociedade, nos tiranizam com freqüência. Quase deturpados desta forma, os desejos naturais do homem causam-lhe grandes problemas aliás, quase todos os problemas que existem. Nenhum ser humano, por bom que seja, fica livre destas dificuldades. Quase todo problema emocional grave pode ser considerado como um caso de instintos deturpados. Quando isso acontece, nossas grandes qualidades naturais, os instintos, tornam-se empecilhos físicos e mentais. Suponhamos que uma pessoa ponha o desejo do sexo acima de tudo. Em tal caso, o impulso imperioso pode destruir sua oportunidade de obter a segurança material e emocional e também seu prestígio na comunidade. Outra pessoa poderá desenvolver tamanha obsessão pela segurança financeira que só quer se dedicar a amealhar dinheiro. Indo ao extremo, poderá se converter em avarento, ou mesmo em um recluso que se nega a conviver com a família e com os amigos. Cada vez que um ser humano se torna um campo de batalha para os instintos, não pode ter paz”.

05. A doença, alcoolismo é um problema social e não moral, mas bêbado eu cometia imoralidades. Este Passo não visa o estudo da moral, mas do autoconhecimento que é o melhor investimento para uma vida. “Conheça-Te A Ti Próprio!”; Propôs Sócrates. Eu ouso acrescentar: “ e melhore!”
“Conhece-te a ti mesmo... e conhecerás o universo de Deus! Quando conheceres a verdade sobre ti mesmo e a tua semelhança com o Criador, nada mais te atemorizará; e poderás caminhar com os teus próprios pés”.
Portanto, com papel e caneta na mão, enfrento medo e orgulho e mergulho no meu interior, no meu passado com determinação, coragem e honestidade. E escrevo sobre tudo quanto me incomoda. Sem minimizar nem maximizar; sem auto-justificar ou projetar meus defeitos, erros e mazelas sobre os outros; sem agredir-me nem culpar-me ou condenar-me; sem ser meu próprio juiz ou carrasco, investigo, destemido e minuciosamente toda minha vida passada desde que me conheço e em todos os sentidos.
Quem fui e quem sou eu? Qual meu real tamanho? Quais meus defeitos e virtudes? O que me falta para viver melhor? Quais minhas reais necessidades e limitações? Como me relacionei e me relaciono comigo, com a vida, com Deus e com os outros?
O Quarto Passo varia de acordo com o sistema de crenças e valores de cada um de nós. Depende de como fomos educados. O meu sistema de crenças e valores é diferente do adotado pelos indígenas. Tive uma formação religiosa rígida. Isto influiu muito no meu Quarto Passo. (Creio que todos nós sabemos que este Passo deve ser feito por escrito).
“Não existem dois seres humanos exatamente iguais, portanto cada um de nós, ao fazer seu inventário precisará determinar quais são seus próprios defeitos de caráter. Havendo encontrado os sapatos que lhe sirvam, deveria calçá-los e andar com a nova confiança de que, finalmente, está no caminho certo”.

06. Examino e escrevo como a deturpação dos instintos naturais geraram meus defeitos de caráter: orgulho; avareza; inveja; gula; ira; luxúria e preguiça. Como exerci meus deveres e direitos na vida: com meus pais; irmãos; professores; e colegas? Em relação ao namoro e casamento? Em relação a vida conjugal e à educação dos filhos? Na condição de empregado, empregador ou sócio? Com meus superiores ou subalternos? Na vida social, cívica e religiosa? (se for o caso). Qual a intensidade dos conflitos, sofrimentos e fracassos impostos a mim e aos outros, em função destes defeitos de caráter e atitudes inadequadas?
Preciso entender que os instintos naturais, exacerbados pelo alcoolismo, são os maiores promotores dos defeitos de caráter. Se abuso do instinto sexual – desencadeio a luxúria e este, geralmente, é um dos maiores problemas do alcóolico. Se busco desenfreadamente a segurança material e o dinheiro mergulho na avareza. Todos temos o instinto da fome, mas se extrapolo no comer desenvolvo a gula. A maioria de nós desejamos um certo conforto e conhecimento. Mas, se quando não consigo aquilo que os outros conseguem, posso tornar-me possesso de inveja; a ponto de comprar, com o dinheiro que não tenho, aquilo que não preciso, só para esnobar. Somos dotados do instinto social e, conviver com seres humanos é difícil, é um aprendizado para a vida inteira. Se, eu não souber lidar com este desafio poderei envenenar-me pelo ódio e a partir dele cometer absurdos, até assassinatos. A necessidade do descanso é instintiva, mas se eu exagerar neste instinto cairei na preguiça.
Gn. 1,26. “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra”.
Notamos que o domínio e o poder, como todos os outros instintos, nos foram conferidos por Deus. Mas, se eu exacerbar de forma insensata, irresponsável e desmedida estes dotes podem inflar-me de orgulho – pai de todos os defeitos. (Em maior ou menor grau tenho todos os defeitos).
Nossa Irmandade sugere não comentar o Quarto Passo pessoal, pois seria realizar o Quinto Passo em desacordo com o recomendado. Mas, para ilustrar o quão importante é ir até a raiz da questão, revelo (parte) da origem do meu orgulho.
Nasci numa família muito pobre. Julgava-me o mais feio, o que menos sabia jogar futebol, o desprezado por todos. Se visse um grupo reunido – só poderia estar falando mal de mim.
Para compensar este complexo de inferioridade, sem perceber, passei a ser o aluno nota 10. Assim, os colegas me consultavam sobre as matérias. “Eu ficava – todo cheio”. Comecei a sentir-me importante e valorizado. (Sem perceber tornei-me vítima do perfeccionismo).
Logo depois de formado assumi a presidência da minha classe profissional, a nível Estadual, em seguida Nacional depois Latino – Americana, Pan – Americana e Mundial. Guardava fotos com autoridades bem como recortes de jornais para mostrar aos amigos.
Meu pai, que residia em outro estado, trazia muitos doentes em minha casa para serem internados no HC, onde trabalhava. Naquela época tinha uma casa tão espaçosa. Assim resolvi construir outra enorme (650 m2) com os seguintes argumentos: 1. – Poderia hospedar, enquanto aguardassem vaga, todos os miseráveis que meu pai trouxesse. 2. – Seria uma aposentadoria. Numa emergência, poderia vendê-la e desfrutar do dinheiro. 3. – O engenheiro disse-me que deveria aproveitar o máximo de área construída por se tratar de uma zona nobre. As ponderações acima, eu as revelava cheio de orgulho. Mas, 4. – aqui vem a razão mais forte. Esta era secreta e escusa. Eu não revelava. Cá com minha arrogância imaginava: já pensou, o dia em que meus amigos de infância, que me viram naquela pobreza danada, me visitarem? Eles não vão acreditar ou então dirão será que é mesmo aqui que o Emílio, aquele pobretão reside?
Cometi uma grande burrada, se tivesse construído cinco casas no lugar deste elefante branco, hoje teria renda de aluguel e não estaria nesta M., M. de miséria – é óbvio – em termos de dinheiro. (Estou querendo vendê-la para saldar compromissos e porque é difícil sustentá-la).
Sabem, julgava-me humilde porque nossas secretárias domésticas e o jardineiro comiam na mesa com a família. Assim, confundia humildade com simplicidade. Era e continuo sendo um perfeccionista. Exijo demais de mim e dos outros. Trabalho mais que um escravo – escravo de mim mesmo. Com tudo isto, aliado a outros fatores, me transformei num oceano de orgulho. *(1)*
Quando fiz o Quarto Passo, detectei que as raízes do meu orgulho residiam no complexo de inferioridade conseqüência da pobreza da minha meninice. Nunca ninguém disse que eu era o mais feio, o mais desajeitado, o mais desprezado. Tudo isto foi fruto da minha mente repleta de inferioridade.
Extirpei esta erva daninha pela raiz. Entendi que não escolhi aonde e em que família nascer. Entendi que não precisaria ser “o nota 10”. Assim ficou mais fácil diminuir o orgulho. Se tivesse cortado esta praga pela ramagem ela vicejaria muito mais e eu passaria o resto da vida sofrendo.
Descobri também que a origem da minha gula está na ansiedade. Neste particular não progredi pelo contrário, regredi. Continuo ansioso, guloso e obeso (105 quilos). Espero não fazer disto um álibi, mas sou portador de PMD – (hoje, Distúrbio Afetivo Bipolar). Isto dificulta.
*(1)* Este texto de Bill W. me atinge profundamente: “O orgulho é o grande causador da maioria das dificuldades humanas, o principal obstáculo ao verdadeiro progresso. O orgulho nos induz a exigir de nós e dos outros; e as exigências não podem ser cumpridas sem perverter ou fazer mau uso dos instintos em relação ao sexo, segurança e posição social se torna o único objetivo de nossa vida, então o orgulho entra em cena para justificar nossos excessos”.

07. “Todas estas falhas geram o medo, uma doença da alma em si. Então, o medo, por sua vez, gera mais defeitos de caráter. O medo não-justificado de que nossos instintos não sejam satisfeitos, nos leva a desejar os bens dos outros, a ansiar pelo sexo e pelo poder, a nos irritar quando nossas exigências são ameaçadas, a sentir inveja quando os outros parecem satisfazer suas ambições enquanto nós nada conseguimos com as nossas. Comemos, bebemos e procuramos obter mais do que precisamos por medo de nunca ter o suficiente. E com apreensão autêntica, frente à perspectiva do trabalho, nos quedamos preguiçosos. Desperdiçamos o tempo e demoramos, adiamos ou, na melhor das hipóteses, trabalhamos de má vontade e com pouca energia. Estas formas de medo são cupins que, incansavelmente, devoram os alicerces da vida que tentamos construir”.

08. Faço o inventário não para morrer e ir para o céu. Mas para viver fora do inferno aqui e agora. O céu pode esperar. Somente agora, que me conheço mais, posso reverter o quadro e melhorar a qualidade da vida em todos os sentidos. O Quarto Passo é o grande divisor de águas na programação proposta por A.A.. A verdadeira sobriedade, serenidade e vida mais feliz, indiscutivelmente, passam pelo Quarto Passo.
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. A.A. sugere esta prática salvadora com muito mais ênfase do que a ciência e as religiões. E qual é a minha verdade? É a verdade do alcoolismo com todas suas exigências, imposições e conseqüências danosas, desagregadoras, nefastas e destruidoras.

09. Dizer: - “Eu faço o meu Quarto e Quinto Passos nas reuniões de A.A. ou só na presença de Deus” é declarar-se irresponsável ou no mínimo mal informado. Tudo isso é ‘papo furado’. Não liberta. Não funciona. Não resolve. Não alivia. Não gera sobriedade. Ao contrário, só tumultua e piora cada vez mais. Além disto o Quinto Passo é bem claro; “Admitimos Perante Deus, Perante Nós Mesmos E Perante Outro Ser Humano, A Natureza Exata De Nossas Falhas”. E não perante Outros Seres Humanos. Existem particularidades que só revelo ao meu padrinho de Quinto Passo.
10. “Também nos apegamos a uma outra excelente desculpa para evitar um inventário. Nossos problemas e ansiedades atuais dizemos, são causadas pelo comportamento de outras pessoas. Pessoas que realmente precisam fazer um inventário moral. Acreditamos firmemente que, se elas nos tratassem melhor, não teríamos problemas. Portanto, consideramos que nossa indignação é razoável e justificada, que nossos ressentimentos são ‘do tipo lógico’. Nós não somos os culpados. São elas.
Achávamos que ‘as circunstâncias’ nos levaram a beber, e quando tentamos corrigi-las e descobrimos que não conseguíamos fazer a nosso contento, nosso beber se descontrolou e nos tornamos alcoólicos. Nunca nos ocorreu que precisávamos mudar a nós mesmos para que nos ajustássemos às circunstâncias, fossem quais fossem”.

11. “É próprio dos tolos observar os defeitos alheios e esquecer os próprios. Congratule-se consigo mesmo, quando enxergar menos os defeitos alheios, e mais os seus; pois então estará apto para viver em companhia de grandes homens. A demasiada atenção que se dedica a observar os defeitos alheios, faz com que se morra sem ter tido tempo para conhecer os próprios. Em vez de jogar pedras no passado, vamos aproveitar todas as pedras disponíveis para construir o futuro”.

12. “Quase nenhum de nós gostava de fazer o auto-exame, a demolição de nosso orgulho e a confissão das imperfeições que os Passos requerem. Mas víamos que o programa realmente funcionava para os outros e tínhamos chegado a acreditar na desesperança da vida, da forma como a estávamos vivendo. Portanto, quando fomos abordados por aquelas pessoas que haviam resolvido o problema, só nos restava pegar o simples conjunto de instrumentos espirituais que foi colocado a nosso alcance”.

13. “No Quarto Passo procuramos resolutamente nossos próprios erros. Onde tínhamos sido egoístas, desonestos, interesseiros e medrosos? Embora uma dada situação não tivesse sido criada inteiramente por nossa falta, muitas vezes tentamos julgar unicamente na outra pessoa envolvida. Finalmente vimos que o inventário deveria ser nosso, não da outra pessoa. Assim, admitimos nossos defeitos honestamente e nos dispusemos a colocar esses assuntos em ordem”.

14. “Alguns farão objeção a muitas perguntas feitas, por acharem que seus defeitos talvez não tenham sido assim tão flagrantes. A estes se pode sugerir que um exame consciente é capaz de revelar justamente os defeitos dos quais tratam as perguntas desagradáveis. Pelo fato de nossa história não ter sido tão ruim na superfície, ficamos freqüentemente embaraçados ao descobrir que isso se deve simplesmente ao fato de havermos enterrado tais defeitos no mais profundo de nós mesmos, debaixo de grossas camadas de auto-justificação. Sejam quais forem os defeitos, acabaram por nos emboscar no alcoolismo e na miséria”.

15. “Mágoas e tristezas sobre o passado devem ser banidas completamente do consciente. Todo aquele que se demora sob as experiências tristes do passado, torna-se fossilizado e envelhece cedo. - Para frente e para cima, é a lei do Verdadeiro Bem. Se você errou desastrosamente, não se precipite no desespero:- o reerguimento é a melhor medida para aquele que cai”.

16. “Nunca digas, estou fracassado... Não exclames, não posso! Não afirmes, é impossível. Não penses, nada sou... Não comentes, não mereço. Não clames, sou fraco! Não asseveres, nada tenho... Dentro de você mesmo está a habilidade e o poder de fazer tudo o que precisa para ser feliz. Este poder estará à sua disposição a partir do momento em que você mudar as convicções derrotistas e se desipnotizar de idéias como ‘não posso’ ‘não valho nada’ ‘não mereço’ e outras convicções limitadoras. Podeis gozar a realização do que desejardes, desde a hora em que começardes a querer. Qualquer homem pode desejar alguma coisa; mas, só os ousados e destemidos alcançarão. Para sermos felizes, precisaríamos aceitar a existência que temos, pois ela já contém tudo o que necessitamos. O homem aprende a se sair bem e a ser feliz como aprende a tocar violino e a jogar tênis. O homem faz a sua felicidade como a abelha faz o seu mel. A filosofia do ‘ não posso ’ tem sido a causa principal de muitas ruínas. A confiança é a chave mágica que abre as portas do êxito e da felicidade. Procurei a felicidade por este mundo sem fim; sem saber que na verdade ela estava dentro de mim”.

17. “Iniciemos um inventário pessoal, o Quarto Passo. Sem fazer um inventário periódico, um negócio geralmente vai à falência. Fazer um inventário comercial é um processo que consiste em conhecer e enfrentar os fatos. É um esforço para se descobrir a verdade sobre a mercadoria em estoque. Um dos objetivos é revelar os bens danificados ou que não têm condições de serem vendidos, de desfazer-se deles logo, sem pensar. Para que o dono do negócio seja bem-sucedido, ele não pode se enganar a respeito dos valores. Tínhamos que fazer exatamente a mesma cosa com nossas vidas. Tínhamos que fazer um inventário com honestidade.
Tenho excelentes razões para saber como os momentos de percepção podem construir uma vida inteira de serenidade espiritual. As raízes da realidade, suplantando as ervas daninhas neuróticas, vão promover uma base firme, apesar do furacão das forças que nos destruiriam ou que usaríamos para nos destruir”.

18. “Suponhamos que a insegurança financeira desperta constantemente esses mesmos sentimentos. Posso me perguntar até que ponto meus próprios erros alimentaram minhas ansiedades e meus temores. E se as ações de outros são parte da causa, que posso fazer a respeito? Se não tenho condições de mudar o estado atual das coisas, estou disposto a tomar as medidas necessárias para adaptar minha vida a elas, tais como são? Perguntas como estas e outras serão lembradas, facilmente, em cada caso individual, e ajudarão a desenterrar as causas originais”.

19. “As mulheres de negócios, que estão em A.A., descobrirão naturalmente que muitas dessas perguntas também muitas vezes se referem a elas, e a dona-de-casa alcoólica pode inclusive trazer insegurança financeira à família. Na verdade, todos os alcoólicos precisam se examinar impiedosamente para constatar como seus próprios defeitos de personalidade destruíram sua segurança”.

20. “Conforme cresce a fé, cresce a segurança interior. O grande medo latente do nada começa a desaparecer. Nós de A.A. descobrimos que nosso antídoto básico para o medo é o despertar espiritual”.

21. “Resolva seu problema! Há muito tempo você se propõe a reformar sua vida, cessar seus defeitos. Vamos, então, começar a partir deste momento! Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje... De certo você não há de resolvê-lo do dia para a noite. Mas, comece já...”.

22. “Aspira a elevar-te... e conserva a aspiração até alcançar teu objetivo. Sê refletido, calmo, justo, perseverante... E elevar-te-ás. Dentro de ti estão todos os recursos para uma nova vida e uma carreira ainda melhor. Eleva, pois, o teu olhar e caminha... Luta e serve... Aprende e adianta-te... Além da noite escura, brilha a alvorada radiante. Hoje, é possível que a tempestade amofine o teu coração e atormente o teu ideal, fustigando-te com a aflição ou ameaçando-te com a morte; não te esqueças, porém de que, amanhã será outro dia ...”.

23. “A sorte só é florida para quem estuda e trabalha; quem não luta pela vida muito cedo se atrapalha”.

24. “Não vos desespereis na adversidade, ela é,... uma transição necessária para a boa fortuna. Muitas pessoas devem a grandeza de suas vidas aos problemas e obstáculos que tiveram que vencer. Foi atravessando os rigores do inverno que o tempo chegou à primavera”.

25. “O homem feliz tem conhecimento perfeito das causas da infelicidade e da felicidade. Nas primeiras se encontram as competições, o tédio, a fadiga, a inveja, o sentimento de pecado, a mania de perseguição, o medo da opinião pública. Nas segundas, citamos o entusiasmo, o afeto, o trabalho, os interesses impessoais, o esforço, a resignação”.

26. “O homem ignorante não é o homem sem instrução; é aquele que não conhece a si próprio. Quem não sabe medir-se a si próprio, como há de medir os outros?” “Sou responsável pelos meus erro!”

27. “A preguiça e a indecisão são traidoras; pelo medo de arriscar, às vezes pode-se perder bens, que se poderia conquistar se não fosse o receio de tentar. Os homens fariam maiores coisas, se não julgassem tantas coisas impossíveis. O mundo pertence aos otimistas; os pessimistas são meros espectadores”.

28. “O homem nasceu para vencer, para conquistar, para transpor, para se superar ... A inteligência, o saber e a força do bem jazem em seu íntimo, esperando para serem desencadeados; para elevá-lo acima das dificuldades”.

29. “Guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância de bens que ele possui. O egoísmo, a ignorância, a inveja fazem da vida um terrível pesadelo e da terra um inferno ardente. Não seremos elevados a um estado superior, enquanto alimentarmos pensamentos de ódio, inveja, ciúme, vingança, ressentimentos. Não tenhas inveja do homem violento, nem sigas nenhum de seus caminhos”.

30. “A gulodice causa mais estragos que a espada. Não faça dos prazeres da mesa um vício; porque o pagarás muito caro, no corpo e na alma”.

31. “O preguiçoso morre desejando, porque as suas mãos recusam trabalhar”.

32. “Lembre-se de que colheremos, infalivelmente, aquilo que houvermos semeado. Se estamos sofrendo, é porque estamos colhendo os frutos amargos das sementeiras errôneas do passado”.
“O valor positivo da indignação justificada é teórico - especialmente para os alcoólicos. Isso deixa cada um de nós exposto à racionalização de que podemos ficar com raiva quando quisermos, desde que possamos achar justa nossa raiva.
Quando guardávamos rancor e planejávamos vingar essas derrotas, estávamos na verdade nos batendo com o porrete da fúria que pretendíamos usar nos outros. Aprendemos que estávamos seriamente perturbados, nossa primeira necessidade era diminuir essa perturbação, não importando quem ou qual achávamos ser a causa”.

33. Faço o quarto e o quinto passos ou ficarei no meio do caminho, sozinho, confuso, desamparado e perdido. Jamais chegarei ao destino proposto por A.A. - O despertar espiritual. Isto fica comprovado com o enunciado do Sexto Passo: “Prontificamo-nos Inteiramente A Deixar Que Deus Removesse Todos esses Defeitos De Caráter”. Esses, quais? Aqueles que identifiquei no Quarto Passo e verbalizei no Quinto Passo. E agora com a ajuda d’Ele os eliminarei pela raiz trabalhando o Sexto Passo. Como posso semear a mais bela, formosa e rica semente, a da humildade, descrita no Sétimo Passo, em terreno infestado por ervas daninhas ou mesmo num matagal? Se minha casa está alugada para um mau, como posso alugá-la para um bom? Como posso obter humildade, se trapaceio até na programação de A.A. – questão de vida ou morte? Como posso relacionar os prejudicados e repará-los? Como posso, dedicar-me ao Inventário: Relâmpago; Diário e Periódico, se ainda não fiz uma limpeza geral da minha casa invadida pela mais infausta de todas as enchentes – a do alcoolismo? (Seria o mesmo que tirar o pó dos móveis com as pernas atoladas na lama até a virilha). Como posso desfrutar da quietude interior, da paz e da harmonia possíveis, através da prece e da meditação? E, entrar em consonância com a consciência Divina, se continuo enrolado na vida passada - sem conhecer-me? De muito, mas de muito longe mesmo, sobriedade é só parar de beber. Preciso modificar-me. Logo, preciso conhecer-me. Fui convidado para o banquete dos Doze Passos e me contento com as migalhas do Primeiro e parte do Décimo Segundo Passo?

34. Com o inventário escrito e revisado, procuro meu padrinho de Quinto Passo. Que seja alguém da minha inteira confiança e que demonstre crescimento espiritual e maturidade emocional. Podendo ser um companheiro AA, que já tenha feito seu Quarto e Quinto Passos ou um conhecedor da Irmandade, atuando na área da saúde ou da religião.
Pessoalmente demorei muito tempo – seis anos - para escrever o meu Quarto Passo. Mas fui bem a fundo. Relacionei tudo, desde que me conheci como gente, até naquele dia e, em todas as áreas. Fiz o Quinto Passo com um companheiro que atuava como terapeuta em alcoolismo. O bem estar que senti foi fantástico. No dia seguinte, assistindo uma palestra, na própria clínica, (tinha recaído) a palestrante perguntou-me: Emílio, “Como você se sente tendo feito, ontem, o Quinto Passo?” Minha resposta não foi ensaiada, mas repentina: “Estou em estado de graça, queres uma carona”? Valeu apenas. Não foi fácil, mas também não tão difícil como alguns preconizam.
Jamais cortaria o rabo de um cachorro um centímetro por semana até chegar ao tamanho desejado. Seria muito sofrimento. Cortaria numa única vez e na altura certa. Assim dói uma só vez. Por isto defendo a idéia de fazer o Quinto Passo de ponta a ponta num único dia.

35. Algumas definições:

Defeitos de caráter: 1). “Imperfeição;... 2). Deficiência, deformidade. 3). Imperfeição moral; vício, labéu, desdouro. 4). Balda, mania”.
Orgulho, l). “Conceito elevado ou exagerado de si próprio; 2)amor-próprio demasiado; soberba”.
Avareza, 1). “Excessivo e sórdido apego ao dinheiro; esganação. 2). Falta de generosidade; mesquinhez. 3). Ciúme, zelo”.
Inveja, 1). “Desgosto ou pesar pelo bem ou pela felicidade de outrem. 2). Desejo violento de possuir o bem alheio”.
Gula, 1). “Excesso na comida e na bebida”. “Qualidade de glutão; voracidade, edacidade, glutonia. 2). Apego excessivo a boas iguarias”.
Ira, 1). “Cólera, raiva, indignação. 2). Desejo de vingança”.
Luxúria, 2). “Incontinência, lascívia; sensualidade. 3). Dissolução, corrupção, libertinagem”.
Preguiça, 1). “Aversão ao trabalho; negligência, indolência, mandriice. 2). Morosidade, lentidão, pachorra, moleza”.
O companheiro Salazar usa o seguinte processo mnemônico para não esquecer dos 7 pecados capitais PILOGIA: Preguiça, Ira, luxúria, Orgulho, Gula, Iinveja e Avareza. (O Orgulho está no centro e é o pai de todos).

36. “Os padrinhos daqueles que não sentem necessidade de um inventário enfrentam um outro tipo de problema. Isto é porque as pessoas impulsionadas pelo orgulho, inconscientemente não vêem seus defeitos. Estas certamente não estão precisando do conforto. O problema é ajudá-las a descobrir uma trinca nas paredes construídas pelo seu ego, através da qual poderão ver a luz da razão”.
37. Humildemente, sugiro aos companheiros, estudarem e praticarem a programação de A.A., contida na Literatura que está disponível nos Grupos e nas Centrais pelo preço de reposição.
.

38. Além da literatura oficial de A.A., alguns escritos do Dr. Eduardo Mascarenhas. A fonte que encontrei para entender, com exemplos muito claros, como na prática se distinguem os defeitos de caráter, foi recorrendo à Bíblia, razão pela qual, transcrevo abaixo, desprovido de qualquer conotação religiosa, alguns versículos para ilustrar melhor o tema.

Ecl. 7,29. “E cheguei à seguinte conclusão: Deus fez o homem correto, mas o homem inventa muitas complicações”.

Jo. 8,6-9. “...Então Ele se levantou e disse: Quem de vocês não tiver pecado, atire a primeira pedra ... Ouvindo isso, eles foram saindo um a um, começando pelos mais velhos ...”.

Pr. 23,19-21. “... Não se junte aos beberrões, nem ande com os comilões, pois o beberrão e o comilão empobrecem, e o dorminhoco se veste com trapos”.

37. Orgulho.

Eclo. 10,7-18. “A soberba é odiosa... Por que se orgulha quem é pó e cinza,... A essência do orgulho humano é afastar-se do Senhor ... O pecado é o princípio do orgulho... O orgulho não foi feito para o homem, nem a ira violenta para os nascidos de mulher”.

Eclo. 13,1. “ ... E quem freqüenta o orgulhoso, torna-se como ele”.

Eclo. 13,20. “Para o orgulhoso a humildade é humilhação”.

Eclo. 32,1. “Pediram para você presidir o banquete? Não fique envaidecido...”,

Jó. 41,15. “As suas fortes escamas são o seu orgulho...,

Mc. 10,31. “Muitos que agora são os primeiros serão os últimos, e muitos que agora são os últimos serão os primeiros”.

Pr. 16,18. “Antes da ruína vem o orgulho, e antes da queda a presunção”.

Pr. 29,23. “O orgulho de um homem o rebaixará, mas o humilde conserva a própria honra”.

Sb. 5,8. “De que adiantou o nosso orgulho? Que vantagem tiramos de nossa riqueza arrogante?”

38. Avareza.

1Tm. 6,9-10 e 17,19. “ Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro, Admoeste os ricos deste mundo, para que não sejam orgulhosos e não coloquem sua esperança na incerteza das riquezas...”,

Eclo. 5,1-8. “Não confie em suas riquezas, nem diga: ‘Elas resolvem tudo’...”,

Eclo. 14,3-10. “A riqueza não convém para o homem mesquinho, nem grandes bens para o homem invejoso... O avarento não se satisfaz com uma parte apenas,...O avarento é cioso do seu pão e mesquinho em sua própria mesa”.

Eclo. 27,1 “Muitos pecam por amor ao lucro, e quem busca enriquecer-se age sem escrúpulos.

Eclo. 31,5-7. “Quem ama o ouro não se conserva justo, e quem corre atrás do lucro, com ele se perderá. Muitos foram vítimas do ouro, e sua ruína foi inevitável...”.

Mt. 6,19-24. “... De fato, onde está o seu tesouro, aí estará também o seu coração... Vocês não podem servir a Deus e às riquezas”.

Pr. 15,6. “Na casa do justo existe abundância, mas o lucro do injusto só traz inquietação”.

Pr. 15,27. “Quem cobiça ganhos desonestos acabará arruinando sua própria casa, mas quem odeia o suborno viverá”.

Pr. 23,4. “Não se empenhe em adquirir riquezas, nem gaste sua inteligência com isso...”.

Pr. 27,20. “Morte e abismo são insaciáveis, da mesma forma que a ambição humana”.

39. Luxúria.

1Cor. 6,18. “Fujam da imoralidade...quem se entrega à imoralidade peca contra seu corpo”.

1Ts. 4,3-5. “... que se afastem da libertinagem, que cada um saiba usar o seu corpo na santidade e no respeito, sem deixar-se arrastar por paixões libidinosas...”,

Eclo. 9,1-8. “ Não tenha ciúmes da esposa que você ama...Não se entregue às prostitutas, para não perder o patrimônio que você tem...”.

Eclo. 19,2-3. “... e quem anda com prostitutas torna-se cada vez mais imprudente...”.

Eclo. 23,5-6. “...Que a sensualidade e a luxúria não me dominem”.

Eclo. 23,16-25. “O homem entregue à sensualidade, que não cessa enquanto o fogo não o devorar; o homem sensual, para o qual todo alimento é doce, e não se satisfaz enquanto não morrer; o homem que trai o leito matrimonial, dizendo: ‘Quem me vê... Tal homem será castigado...”.

Ef. 4,19. “...entregaram-se à lascívia para cometerem com avidez toda sorte de impureza”.

Gn. 39,7-20. “Passado algum tempo, a mulher do amo ficou de olhos caídos em José e lhe propôs: ‘Durma comigo’. José recusou, e respondeu à mulher de seu amo:... ele não reservou nada para si, a não ser você, que é mulher dele. Como posso cometer semelhante crime, ...”

Lv. 18,22-23. “Não se deite com um homem, como se fosse com mulher: é uma abominação...”.

Pr. 23,26-28. “...pois a prostituta é cova profunda...”.
Pr. 29,3. “Quem freqüenta prostitutas desperdiça seus bens”.

Pr. 30,20. “A adúltera se comporta assim: come, limpa a boca e diz: ‘Não fiz nada de mal’”.

40. Ira.

1Jo. 2,9-11. “Quem afirma que está na luz, mas odeia o seu irmão, ainda está nas trevas... quem odeia o seu irmão está nas trevas: caminha nas trevas e não sabe aonde vai...”,

1Jo. 3,15. “Todo aquele que odeia o seu irmão é assassino...”,

1Jo. 4,7-21. “... Se alguém diz: ‘Eu amo a Deus’ e, no entanto odeia o seu irmão, esse tal é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê...”.

Ecl. 7,9. “Não fique tão depressa com o espírito irritado, porque a irritação se abriga no peito dos insensatos”.

Eclo. 27,30. “Rancor e cólera são coisas abomináveis, mas o pecador as conserva”.

Eclo. 30,24-25. “Inveja e ira encurtam os anos, e a preocupação faz envelhecer...”.

Gn. 37,18-28. “Os irmãos... Disseram entre si: ‘Aí vem o sonhador! Vamos matá-lo e jogá-lo num poço...”,

Lv. 19,17-18. “Não guarde ódio contra o seu irmão... Não seja vingativo, nem guarde rancor contra seus concidadãos. Ame o seu próximo como a si mesmo...”.

Pr. 10,12. “O ódio provoca rixas, mas o amor cobre todas as ofensas”.

Pr. 14,17. “O homem colérico comete estupidez, e o homem intrigante torna-se odiado”.

Pr. 15,1-2. “Resposta calma aplaca a ira; palavra mordaz atiça a cólera. A língua dos sábios faz saborear o conhecimento, mas a boca dos insensatos vomita ignorância”.

Pr. 24,17-18. “Não fique alegre quando o seu inimigo cai,....”

Pr. 25,23. “O vento norte traz chuva e os mexericos trazem ódio”.

Pr. 27,3-4. “A pedra é pesada e a areia é uma carga, mas a cólera do estúpido pesa mais do que as duas. O furor é cruel e a ira é impetuosa, mas quem pode resistir diante do ciúme?”

Pr. 29,22. “O homem irado provoca briga, e o homem enfurecido multiplica os crimes”.

41. Gula.

Eclo. 31,12-31. “Você está sentado diante de uma farta mesa...? Lembre-se: olhar ávido é coisa má...não seja guloso, não seja o primeiro a estender a mão... O sono saudável depende do estômago moderado...O homem guloso é acompanhado por mal estar, insônia, náusea e cólica...”.

Pr. 15,17-18. “Mais vale um prato de verduras com amor do que um boi cevado, com rancor. Homem colérico provoca disputas; homem paciente acalma as brigas”.

Pr. 21,17. “Quem gosta de festa acabará mendigo; quem gosta de vinho e carne boa jamais ficará rico”.

Pr. 25,27. “Comer muito mel não é bom, e procurar a própria honra não é honra”.

42. Inveja.

Eclo. 14,3 e 8. “...nem grandes bens para o homem invejoso. Mau é o homem de olhar invejoso...”,

Gn. 37,3-23. “José era o preferido... Seus irmãos perceberam que o pai o preferia aos outros filhos. Por isso, ficaram com raiva, e não falavam amigavelmente com ele...”.

Gn. 4,3-5. “...Deus gostou de Abel e de sua oferta, e não gostou de Caim e da oferta dele. Caim ficou então muito enfurecido e andava de cabeça baixa”.

Lc. 15, 27-30. “...‘É seu irmão que voltou. E seu pai, porque o recuperou são e salvo, matou um novilho gordo’. Então, o irmão ficou com raiva, e não queria entrar...”

Pr. 1,19. “Tal é o destino do ganancioso: a cobiça acaba com o cobiçoso”.

Pr. 23, 6-7. “ Não coma na casa do invejoso, ...”

43. Preguiça.

2Ts. 3,6-12. “... quem não quer trabalhar, também não coma...”.

Eclo. 22,1-2. “O preguiçoso é como pedra cheia de lodo, e todos zombam dele com desprezo. O preguiçoso parece monte de esterco: quem toca nele, logo sacode a mão”.

Eclo. 37,11-15. “Nem a um invejoso sobre a gratidão; nem a um egoísta sobre a bondade; nem a um preguiçoso sobre o trabalho; nem a um empregado preguiçoso sobre um grande trabalho”.

Pr. 13,4. “O preguiçoso muito quer e nada tem, mas o trabalhador satisfaz o apetite”.

Pr. 19,15. “A preguiça faz cair no sono, e o preguiçoso passará fome”.

Pr. 24,30-34. “Passei pelo campo de um preguiçoso, e pela vinha de um homem sem juízo: estava tudo cheio de urtigas, o terreno coberto de espinhos e o muro em ruínas. Vendo isso, comecei a refletir e aprendi esta lição: Durma um pouco, cochile mais um pouco, depois cruze os braços para descansar ainda um pouco, e a miséria do vagabundo cairá sobre você, e a indigência o atacará...”.

Bibliografia: “Os Doze Passos”, “Na Opinião Do Bill”, “Livro Azul” “A.A. Atinge A Maioridade” “Reflexões Diárias”, “Coletânea I E II”, F., Aluízio. - “Otimismo Em Gotas”, O. R., Dantas. - “Minutos De Sabedoria”, P. T., Carlos. -,”Dicionário Da Língua Portuguesa”- F. H. B. , Aurélio – “Escritos De Mascarenhas, Dr. Eduardo” E “Sagradas Escrituras” - Edição Pastoral.

Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2000